Madeira lamelada colada
Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

Para que fosse possível desfrutar de todas as vantagens da madeira obviando aos seus inconvenientes, foi desenvolvida a técnica dos lamelados colados, pela utilização de colas de elevada resistência e durabilidade. Este material, sendo composto por lamelas de madeira coladas por sobreposição, permite que se proceda a uma escolha criteriosa das peças de madeira e à eliminação das deficiências maiores antes da colagem. Esse processo torna as peças mais homogéneas e evita a tendência para a fendilhação, uma vez que as tensões geradas por uma lamela são contrariadas e absorvidas pelas outras. É assim possível obter elementos com características superiores aos que se obteriam com uma peça maciça de madeira de igual secção. É também possível com a técnica dos lamelados colados obter-se elementos de grandes dimensões e harmonia de formas que com a madeira maciça seriam impensáveis. A sensação de conforto que proporciona ao seu utilizador, aliada ao aspecto agradável da madeira conduzem normalmente a construções de grande beleza e de um equilíbrio nunca conseguido com outros materiais.

Durabilidade

Quanto às questões de durabilidade física da madeira, bastará que os cuidados a ter com o seu corte, secagem e manutenção dos elementos seja o correcto. Também deverão os projectistas ter o pleno conhecimento do tipo de elementos da construção que podem ser realizados em madeira, para que o edifício possa apresentar um comportamento de longevidade. Relativamente à madeira maciça, os lamelados colados apresentam as vantagens do aproveitamento de peças de pequena espessura, de constituírem um material mais homogéneo onde os defeitos que reduzem a resistência mecânica na madeira maciça estão dispersos e limitados à espessura da lâmina onde ocorrem.

Como outra vantagem refere-se uma relativa imunidade ao ataque de xilófagos em grande parte devido às colas empregues, que são normalmente possuidoras de toxinas. Além disso, a devida impregnação de produtos preservadores faz parte da sua tecnologia.

Este é o material estrutural mais apropriado para ambientes quimicamente agressivos, como sejam indústrias químicas ou laboratórios, uma vez que não sofre qualquer corrosão ou oxidação. É também imune às acções dos cloretos da água do mar e à acção do cloro das piscinas, razão pela qual a sua larga utilização em coberturas desse tipo. Podem-se produzir madeiras lameladas coladas a partir de várias espécies de árvores, sobretudo resinosas, no entanto a mais utilizada é a Epicea, árvore de grande porte, muito comum nos Países Nórdicos.

Legislação

Em termos de normalização, a produção e projecto das estruturas em lamelado colado devem-se submeter ao seguinte, nos países da União Europeia:

  • EN 386 – Regulamenta a produção dos lamelados colados
  • EUROCÓDIGO 5 (EC5) – Regulamenta a construção em madeira serrada e em madeira lamelada colada

Pavilhão Atlântico

PavAtlantico.jpg

A cobertura do Pavilhão Atlântico foi a primeira grande estrutura de madeira lamelada colada construída em Portugal. O então designado Pavilhão Multiusos de Lisboa, ou Pavilhão da Utopia, foi realizado para a EXPO'98, sendo constituído por uma nave principal (Sala Atlântico) e por uma nave contigua (Sala Tejo) mais próxima do rio. A estrutura de madeira da Sala Atlântico, concluída em 1997, foi igualmente inovadora a nível internacional, uma vez que constituiu um dos primeiros exemplos de uma grande estrutura dimensionada segundo o Eurocódigo 5 (então ENV 1995-1-1).

A estrutura de cobertura é constituída por 17 arcos transversais triangulados com dimensões variáveis, tendo o maior arco 114 metros de comprimento, e altura máxima de 47 metros em relação à arena. Os elementos destes arcos são de madeira lamelada colada de Espruce (Picea abies), em cujo fabrico foi usada uma cola de tipo I (adequada para interiores e exteriores) e que receberam, na sua forma e dimensão final, um tratamento preservador superficial insecticida e fungicida (adequado à Classe de Risco 2 definida na EN 335-2).

OSB

Nos seus projectos de estabilidade, a Futureng recorre às placas OSB como material de revestimento estrutural da estrutura metálica. Estas placas são compostas por lâminas de madeira orientadas. Daí o nome: OSB - Oriented Strand Board. É portanto um aglomerado de partículas de madeiras longas e orientadas, com características similares aos dos chamados sistemas estruturais em madeira lamelada colada.

Bibliografia

  • HENRIQUES, Maria Dulce Franco - "Sistemas estruturais em madeira lamelada colada" - Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Copyright © 2003-2014 FUTURENG. Todos os direitos reservados. A utilização deste site pressupõe a aceitação dos presentes termos e condições. Se não estiver de acordo com eles, não utilize este site.