Limitações do LSF
Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

O sistema Light Steel Framing utiliza processos e materiais que o tornam um método extremamente versátil e adequado a uma enorme variedade de aplicações.

Depois de conhecerem as vantagens e aplicações do LSF, é provável que alguns dos nossos visitantes se perguntem sobre eventuais limitações desde tipo de estruturas. Algumas são analisadas abaixo:

Resistência do mercado à mudança

Na verdade, é difícil elencar outras desvantagens além daquelas que se prendem com o preconceito ou resistência psicológica do mercado ao que é diferente ou inovador. Qualquer coisa que foge ao tradicional ou convencional em qualquer sociedade, desperta sentimentos de suspeita e insegurança. Essa resistência poderá dificultar a actividade comercial de uma empresa construtora. Mas, esta desvantagem comercial do LSF pode ser vencida se os construtores reconhecerem que, entre todos os potenciais clientes que irão construir uma nova casa, uma vasta maioria nunca optará por um sistema diferente. Assim, os construtores deverão concentrar esforços naqueles que procuram uma alternativa à construção convencional, especializando-se nesse nicho de mercado. Os esforços de tentar convencer alguém que não compreende as características do LSF, apenas por preconceito, dificilmente compensarão.

Estrutura metálica

Construção em altura

O LSF é uma evolução do típico "wood framing" (estruturas em perfis de madeira) norte americano utilizado essencialmente na construção residencial unifamiliar. Assim, a legislação americana limita os edifícios integralmente construídos com perfis em aço galvanizado, enformados a frio, a um número reduzido de pisos, usualmente dois pisos mais sótão visitável, além da eventual cave em betão armado. Isto acontece porque os perfis montantes usados são de reduzida espessura (não mais de 1,5 mm) sendo que cada um deles, com um comprimento de 2,70 m e 150 mm de secção por exemplo, não pesa mais de 8,5 kg. Além disso, visto que os perfis e vigas de paredes exteriores e interiores, pisos e coberturas, estão espaçados no máximo a 60 cm, formam-se milhares de conexões rotuladas (todas as fixações são efectuadas por parafusos auto roscantes) que conferem flexibilidade à estrutura metálica. Esta é uma enorme vantagem dos edifícios de pouca volumetria perante um sismo. No caso de edifícios de apartamentos com vários pisos, poderá haver necessidade de colocar elementos pontuais com maior rigidez.

Abertura excessiva de vãos

A excelente relação entre o baixo peso e a elevada resistência das peças em aço enformado a frio permitem alcançar vãos iguais ou superiores aos da construção vulgar que recorre a vigas e lintéis em betão armado, lajes maciças ou aligeiradas com vigotas de betão pré-esforçado. Convém no entanto recordar que, para se obter o máximo desempenho das estruturas em LSF perante um sismo, é importante respeitar a filosofia básica do sistema, ou seja, a distribuição de cargas pelo perímetro e/ou por algumas paredes interiores. Este conceito diverge definitivamente da construção em betão ou em aço pesado (vigas HEB e afins), onde as cargas se concentram em sapatas. Assim, uma estrutura em LSF é tanto mais eficiente perante um sismo quanto mais área de perfis montantes, não interrompidos, existir.

Soluções alternativas

Nos casos acima, no entanto, a limitação da estrutura metálica só existe se pensarmos em termos da utilização exclusiva de elementos estruturais em aço galvanizado. A alternativa será tirar partido das vantagens doutros elementos estruturais, tais como o betão armado, o aço laminado a quente ou a madeira. A junção de diversos métodos construtivos constitui assim a melhor solução para resolver projectos de arquitectura mais arrojados. Isso é especialmente notado em obras de reabilitação de edifícios antigos, na ampliação de espaços ou na construção de edifícios de vários pisos. Também, alguns edifícios novos com estruturas mais tradicionais podem ser beneficiados com a inclusão de elementos resistentes mais leves em certos pontos da obra, tal como as paredes exteriores ou na cobertura.

Também, se existirem aberturas muito rasgadas nas fachadas, o engenheiro pode recorrer a soluções que passam pela criação de vigas de cabeceira e à junção de vários perfis ou vigas em certos pontos. Poderão também ser executadas asnas usando os perfis de aço galvanizado ou até mesmo recorrendo à colocação pontual de um elemento em betão armado ou vigas laminadas a quente.

Dessa forma, as limitações do LSF não implicam uma limitação arquitectónica. Simplesmente exigem que se tire partido das boas características de cada material, aplicando-o no local onde melhor se adequa. Por exemplo, os edifícios em LSF usam o betão armado em alicerces, caves e muros de contenção visto que esse material é o ideal para essas funções. No entanto, acima do solo, onde necessitamos de segurança e conforto, são as paredes em LSF que nos garantem esses objectivos.

Eficiência térmica

Inércia fraca

A inércia térmica de um edifício construído totalmente em LSF é invariavelmente fraca. Uma excepção é no caso da reabilitação onde se aproveitam as paredes antigas exteriores, alcançando-se a inércia média.

Algumas pessoas têm dúvidas quanto à inércia térmica de um edifício com estrutura LSF já que as paredes exteriores não são constituídas por elementos de grande massa. Dessa forma, a energia a fornecer para o aquecimento da casa dissipa-se mais rapidamente. Assim, esse facto parece contrariar a ideia de que será necessário menos energia para tornar o ambiente confortável.

No entanto, existem alguns factos que têm de ser levados em linha de conta no caso do LSF e que, por vezes, são desconsiderados. Considere esses pontos no seguinte artigo:

Caixilharia

Ter inércia fraca, exige um maior cuidado na selecção do tipo de caixilharia a usar. Visto que a casa tem uma capacidade para aquecer mais rapidamente, essa será uma vantagem no Inverno, mas não no Verão. Assim, é importante escolher caixilharia e vidro de melhor qualidade. Além disso, é necessário garantir a protecção dos envidraçados, de preferência pelo exterior.

O regulamento limita o valor do factor solar para edifício de inércia fraca num valor relativamente baixo. Isto significa que se não se investir numa caixilharia com vidro razoável e, especialmente, em bons dispositivos de protecção solar (tais como portadas ou estores), o projecto nem sequer verifica.

Isso não significa que se tenha de escolher um vidro incomum ou extremamente caro. Em projectos onde não existe uma definição clara do vidro a aplicar, a Futureng costuma usar os valores genéricos para um vidro duplo, ou seja: U=2,8 e S=0,75.

O que na verdade implica um maior cuidado são os dispositivos de protecção solar, tais como as portadas, estores exteriores ou entre vidros. Num edifício de inércia fraca, sem essas protecções não se alcançará o factor solar total máximo que é 0,15 para a maioria das situações.

Soluções

A solução para garantir a verificação dos projectos passa simplesmente por aplicar caixilharia e dispositivos de protecção solar com uma qualidade razoável. No entanto, quem opta pelo LSF como sistema construtivo é dessa mesma qualidade que está à procura.

É importante salientar que os limites no regulamento reflectem preocupações com eficiência energética no Verão devido a ganhos solares exagerados. No Inverno há o problema das perdas, e é especialmente nesta estação do ano que o LSF apresenta grandes vantagens, visto que retém o calor produzido com grande eficiência limitando em muito as perdas.

Light Steel Framing vs. Wood Framing

Para uma comparação específica entre as vantagens e desvantagens do LSF em comparação com o wood framing, leia o seguinte artigo:

Copyright © 2003-2014 FUTURENG. Todos os direitos reservados. A utilização deste site pressupõe a aceitação dos presentes termos e condições. Se não estiver de acordo com eles, não utilize este site.