EPS - Poliestireno Expandido
Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

O EPS (poliestireno expandido) é um plástico celular e rígido, que se pode apresentar numa multitude de formas e aplicações. É uma espuma de poliestireno moldada, constituída por um aglomerado de grânulos, e é o material utilizado para placas para isolamento na construção civil, para caixas de peixe, para embalagens de electrodomésticos e produtos electrónicos e para muito mais.

A matéria prima do EPS

A matéria prima do EPS é o poliestireno (PS) expansível. O PS expansível, um polímero de estireno que contém um agente expansor é obtido, a partir do petróleo, por meio de diversas transformações químicas.

Espumas de poliestireno

Existem outros tipos de espumas de poliestireno que, no entanto, não são EPS. O XPS (poliestireno extrudido), que é também uma espuma rígida de poliestireno, mas diferencia-se do EPS por ser obtida por um processo de extrusão em contínuo e por empregar outros gases expansores. A sua única aplicação corrente é como isolamento na construção civil, apresentando-se sob a forma de placas coloridas. O PSP (poliestireno papel), que é também uma espuma rígida de poliestireno, extrudida, que é produzida com uma fraca espessura (2 a 3 mm). A sua aplicação é em bandejas e tabuleiros para acondicionar produtos alimentares.

O processo de fabrico do EPS

Nas instalações dos produtores de EPS, a matéria prima é sujeita a um processo de transformação física, já não alterando as suas propriedades químicas. Esta transformação processa-se em três etapas :

A pré-expansão

A expansão do PS expansível é efectuada numa primeira fase num pré-expansor através de aquecimento por contacto com vapor de água. O agente expansor incha o PS para um volume cerca de 50 vezes maior do original. Daí resulta um granulado de partículas de EPS constituídas por pequenas células fechadas, que é armazenado para estabilização.

O armazenamento intermédio

O armazenamento é necessário para permitir a posterior transformação do EPS. Durante esta fase de estabilização, o granulado de EPS arrefece o que cria uma depressão no interior das células. Ao longo deste processo o espaço dentro das células é preenchido pelo ar circundante.

A moldagem

O granulado estabilizado é introduzido em moldes e novamente exposto a vapor de água, o que provoca a soldadura do mesmo; assim obtém-se um material expandido, que é rijo e contém uma grande quantidade de ar. Para fabricar placas para a construção civil produzem-se blocos de EPS em grandes moldes paralepipédicos. Para fabricar moldados em EPS, o granulado é insuflado para dentro de moldes com a conformação das peças pretendidas. A escolha do tipo de matéria prima e a regulação do processo de fabrico, permitem a obtenção de uma ampla gama de tipos de EPS, com diversas densidades, cujas características se adaptam às aplicações previstas.

Vantagens

Vejamos algumas vantagens:

Leve

As densidades do EPS variam entre os 10-30 kg/m3, permitindo uma redução substancial do peso das construções.

Resistência mecânica

Apesar de muito leve, o EPS tem uma resistência mecânica elevada, que permite o seu emprego onde esta característica é necessária.
Baixa absorção de água e insensível à humidade
O EPS não é higroscópico. Mesmo quando imerso em água o EPS absorve apenas pequenas quantidades de água. Tal garante que o EPS mantém as suas características térmicas e mecânicas mesmo sob a acção da humidade.

Fácil de manusear e colocar

O EPS é um material que se trabalha com as ferramentas habitualmente disponíveis, garantindo a sua adaptação perfeita à obra.
O baixo peso do EPS facilita o manuseamento do mesmo em obra. Todas as operações de movimentação e colocação resultam significativamente encurtadas.

Resistente quimicamente

O EPS é compatível com a maioria dos materiais correntemente utilizados na construção de edifícios, tais como cimento, gesso, cal, água, entre outros.

Versátil

O EPS pode apresentar-se numa multitude de tamanhos e formas, que se ajustam sempre às necessidades específicas da construção.

Resistente ao envelhecimento

Todas as propriedades do EPS mantêm-se inalteradas ao longo da vida do material, que é pelo menos tão longa quanto a vida da construção de que faz parte. O EPS não apodrece nem ganha bolor, não é solúvel em água nem liberta substancias para o ambiente. Não foi observado qualquer efeito prejudicial para a saúde sendo correntemente utilizado como acondicionador de alimentos. O EPS não constitui substrato ou alimento para o desenvolvimento de animais ou microrganismos.

Baixa condutibilidade térmica

Esta é, sem dúvida, a principal vantagem do EPS. Analisemos esta característica em pormenor:

As propriedades térmicas do EPS

A propriedade mais importante do EPS é a sua capacidade de resistir à passagem do calor. Tal deve-se à sua estrutura celular, que é constituída por muitos milhões de células fechadas com diâmetros de alguns décimos de milímetro e com paredes de 1 mm. Esta espuma é composta aproximadamente por 2% de poliestireno e 98% de ar. O factor decisivo para a boa capacidade de isolamento térmico do EPS é o de manter, permanentemente, uma grande quantidade de ar, quase imóvel, dentro das suas células.

A capacidade de isolamento térmico é expressa no Coeficiente de Condutibilidade Térmica (CCT), habitualmente medido em W/m°C. Um coeficiente mais pequeno denota uma capacidade de isolamento térmico superior. Note-se, que para obter um efeito isolante numa aplicação construtiva, para além do CCT o outro factor determinante é a espessura da camada isolante empregue.

O CCT do EPS depende principalmente da sua massa volúmica. O CCT do EPS diminui (melhora a capacidade de isolamento térmico) com o aumentar da massa volúmica do material. Ou seja, em palavras simples, quanto maior a densidade (ou peso por metro cúbico), maior será a protecção térmica.

A diminuição da temperatura a que o CCT é medido também reduz este coeficiente. Ou seja, quanto mais frio estiver o ambiente mais o material resiste à passagem do calor. Esta é sem dúvida uma característica bem útil do EPS!

Para efeitos de cálculo, o valor corrente do CCT do EPS é de 0,04 W/m°C. Com o emprego de uma massa volúmica apropriada, de matérias primas específicas, bem como a adaptação das condições de fabrico, é possível a obtenção de valores de CCT inferiores.

Construir com EPS

As aplicações do EPS na construção civil são extraordinariamente variadas, sendo de salientar que, para além de ser um excelente material de isolamento térmico, pode também ser um sistema construtivo. São os mais diversos os exemplos do emprego de EPS em sistemas isolantes de coberturas, paredes e pavimentos, tal como em todo o tipo de obras, desde os grandes viadutos, estradas, grandes edifícios até à pequena moradia.

As principais características do EPS tornam-no num material especialmente apropriado para uma utilização como isolante, elemento de aligeiramento e enchimento, substrato para a realização de formas decorativas de acabamento e para muito mais. E ainda, ao substituir elementos construtivos "tradicionais" por outros em EPS, obtemos edifícios com um melhor rendimento energético, logo com um melhor comportamento face ao meio ambiente.

O EPS é um dos materiais que compõem os sistemas de reboco térmico pelo exterior, cuja designação técnica é ETICS.

Copyright © 2003-2014 FUTURENG. Todos os direitos reservados. A utilização deste site pressupõe a aceitação dos presentes termos e condições. Se não estiver de acordo com eles, não utilize este site.